Responsável Técnico: Dr. Gladyston Matioski CRM 21048/PR

Osteoporose aumenta riscos de fraturas do fêmur em idosos

Com ossos mais fracos, idosos tem maior probabilidade de fratura de fêmur em caso de quedas.

A fratura do fêmur acontece quando surge uma fratura no osso da coxa, que é o mais comprido e mais forte osso do corpo humano. Para fraturar esse osso, portanto, é necessária muita pressão e força, o que, geralmente, acontece em acidentes automobilísticos ou em decorrência de queda de grande altura, por exemplo.

Normalmente, a parte do osso que quebra mais facilmente é a região central, conhecida como corpo do fêmur. Em pessoas idosas, porém, esse tipo de fratura também pode acontecer na cabeça do fêmur, região que se articula com o quadril. Graças ao aumento no número de idosos e consequentemente, da incidência de osteoporose - doença que enfraquece os ossos -  estima-se que a partir de 2050, mais de 6 milhões de fraturas do colo femoral ocorram em todo o mundo.

Entre os idosos, essas fraturas são três vezes mais comuns em mulheres, uma vez que, nessa etapa da vida, ocorre uma redução na formação óssea causada principalmente pela menor produção de hormônios. Com ossos mais fracos, aumentam os riscos de fraturas na coluna, punhos e quadris. É importante observar que embora seja, geralmente causada por queda, a fratura pode acontecer devido a uma simples torção da perna ao caminhar, por exemplo.

Na maioria das vezes, o tratamento para fraturas do quadril é cirúrgico, variando entre a fixação da fratura ou a artroplastia de quadril. A fixação preserva o osso natural, enquanto que a artroplastia substitui a cabeça e colo femoral por material artificial (prótese de quadril). Por possibilitar recuperação mais rápida, ter menor taxa de reoperação e não apresentar risco de necrose da cabeça femoral ou não-consolidação (“fratura não colar”), a cirurgia de artroplastia de quadril é indicada para a maior parte dos pacientes idosos com fratura do colo femoral.

Geralmente indicada para pacientes mais jovens e com boa qualidade óssea (sem grave osteoporose), na cirurgia de fixação da fratura, os fragmentos ósseos são colocados em seus devidos lugares e fixados com parafusos, placas ou hastes. Estes materiais servem para manter os fragmentos ósseos no lugar até a cura (consolidação).

O tempo de recuperação varia de acordo com as características da fratura e do tipo de cirurgia realizada. Geralmente, o tempo de internação é de três dias a uma semana e a cicatrização da fratura pode levar de três a nove meses, sendo que nesse tempo, é recomendado evitar atividades que coloquem muito peso sobre a perna afetada.

Para prevenir as fraturas do quadril, são indicadas correção da osteoporose com suplementação de cálcio e vitamina D e utilização de medicações que aumentem a formação óssea ou diminuam a reabsorção. Também é importante diminuir os riscos de queda entre idosos por meio de cuidados simples como instalação de corrimão em banheiros, retirada de tapetes da casa, manutenção da função muscular e atenção com a saúde ocular.